Notícias

Qual o papel do cidadão perante os resíduos?

Todos nós sabemos que é obrigação do poder público realizar a coleta e destinação final dos resíduos. Mas, isso não quer dizer que o cidadão também não tenha suas obrigações.

A primeira aprendemos desde cedo: realizar o descarte de resíduos somente em locais apropriados, apesar de alguns insistirem em não obedecer.

Infelizmente, ainda vemos muitas pessoas largando lixo na rua, pela janela do carro, em terrenos e áreas verdes, contribuindo, desta forma, com a poluição do solo, água e aparecimento de vetores de doenças.

Existem países que não possuem lixeiras nas ruas, pois a responsabilidade de garantir o descarte correto (que é do cidadão) é levado muito a sério. Então qualquer resíduo gerado nas ruas, as pessoas armazenam para realizar o descarte correto em casa.

O Brasil ainda tem muito o que evoluir quando se trata de meio ambiente e resíduos, mas você pode contribuir para essa evolução conhecendo mais sobre os mesmos e compartilhando informações. Pois a luta da educação ambiental é de todos!

Você sabe responder se tudo que colocamos nas nossas lixeiras é lixo de verdade? Com este propósito trazemos aqui uma breve explicação sobre o assunto.

Você sabe a diferença entre lixo e resíduos? Por que ainda hoje existe essa confusão entre os termos?

 

Atualmente ainda é um hábito da população vincular o termo resíduo sólido ao lixo, entretanto, você sabia que existe uma vasta diferença entre estes dois termos?

O lixo pode ser intitulado como qualquer bem que não é mais de interesse para o ser humano, portanto, você consumidor possui o poder de escolher o objeto que passa a virar um lixo.

Este termo passou a ser utilizado de maneira incorreta com o passar do tempo, pois antigamente, o que sobrava de atividades eram compostos orgânicos. Após a entrada da era do mundo moderno e a demanda constante por novos produtos, começou a geração de outros “lixos”.

O lixo propriamente dito, pode ser proveniente de diversas ações, entretanto, destacam-se as ações domésticas, industriais e comerciais de maneira geral. Entretanto, o que define ser ou não reaproveitado pode ter forte relação com a suas propriedades físicas, químicas e/ou biológicas.

O resíduo, por sua vez, é visto como um objeto que possui valor agregado e pode ser incorporado em um novo processo de transformação, seja em indústrias como combustível e/ou energia. Por cooperativas de catadores que, através da separação de recicláveis, como por exemplo, metal, papel, plástico e vidro, provém o sustento de suas famílias.

O cidadão deve entender de forma clara e nítida a diferença entre estes dois termos, pois, só assim será possível alavancar o setor de transformação dos resíduos sólidos em produtos.

Você sabia que existem ferramentas que auxiliam nas boas práticas do cidadão em relação a reduzir a geração de resíduos sólidos e diminuir os impactos ambientais a partir do reaproveitamento?

Até pouco tempo falava-se da política dos 3R´s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar), mas surgiu a necessidade de não somente focar na reciclagem de materiais, mas também reforçar o pensamento crítico, para que haja uma mudança de comportamento em relação aos atuais padrões insustentáveis de produção e consumo.

Foi então que surgiu a política dos 5R’s, conforme Ministério do Meio Ambiente que possui como estratégia cinco ações: Reduzir, Reutilizar, Reciclar, Repensar e Recusar.

  • Reduzir: significa evitar os desperdícios, consumir menos produtos, preferindo aqueles que ofereçam menor potencial de geração de resíduos e tenham maior durabilidade.
  • Reutilizar: é uma forma de evitar que vá para o lixo aquilo que não é lixo reaproveitando tudo o que estiver em bom estado. É ser criativo, inovador usando um produto de diferentes maneiras.
  • Reciclar: significa transformar materiais usados em matérias-primas para outros produtos por meio de processos industriais ou artesanais.
  • Repensar: é refletir a necessidade de consumo e os padrões de produção e descarte adotados.
  • Recusar: consiste em negar possibilidades de consumo desnecessário e produtos que gerem impactos ambientais significativos.

 

Então, caros leitores, aí vai nossa dica, recuse o que você não precisa, reduza o que puder, reutilize o que for possível, recupere produtos e recicle o restante. Veja a seguir como você pode aplicar os 5 R’s no seu dia a dia!

  • Planeje bem suas compras. Compre a quantidade de alimento necessária para o consumo, observe a data de vencimento.
  • Reduza o consumo de produtos e embalagens não recicláveis e dê preferência a produtos que tenham refil;
  • Procure consumir produtos fabricados com materiais mais resistentes e duráveis, exemplo aparelho de barbear não descartável;
  • Prefira talheres, copos e pratos de louça e guardanapos de pano;
  • Faça uma doação de roupas e objetos que não precisa ao invés de jogá-los no lixo;
  • Use os dois lados do papel para escrever e imprimir;
  • Evite sacolas plásticas sempre que puder. Leve uma sacola própria para fazer suas compras (sacola de feira ou de pano), evitando pegar as sacolas plásticas fornecidas nos supermercados;
  • Dê preferência ao correio eletrônico;
  • Se estiver na rua, guarde o lixo com você até encontrar um local adequado para descartá-lo;
  • Separe o seu resíduo conforme sua classificação (reciclável e não reciclável) e o acondicione de maneira correta (saco plástico, contêiner, latões, etc).

 A educação ambiental é um instrumento de transformação social que favorece a aquisição de conhecimentos e a prática de atitudes ambientalmente corretas.

Se quiser saber mais sobre os resíduos sólidos, recomendamos que você acesse: Você sabe o que é a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS.

E se gostou deste conteúdo, não deixe de compartilhar nas redes sociais e deixe seus comentários abaixo.

Andrieli de Souza Alves

Andrieli de Souza Alves

Engenheira Agroindustrial - Ênfases em Indústrias Alimentícias e Agroquímica

Deixe uma resposta