Doenças e EpidemiasResíduos Sólidos

Você pode estar gastando mais em saúde no seu município devido à má gestão dos RSU

Você pode estar gastando mais em saúde devido à má gestão dos RSU. Sabia porque e como você pode mudar esta realidade no seu município.

Gastos públicos de saúde mais que o esperado
Gastos públicos de saúde mais que o esperado

A dificuldade financeira da grande parte dos municípios brasileiros é de conhecimento de todos.

Isso torna a administração pública um imenso desafio para o gestor manter serviços como hospitais, escolas, transporte, limpeza urbana entre outros.

A propósito, a gestão dos resíduos sólidos urbanos (RSU), que muitas vezes se resume apenas na coleta aos olhos dos cidadãos, exige pelo menos mais duas etapas que geram custos diretos a este serviço:

 

Estas exigências tornam a gestão dos RSU um problema para a maioria dos municípios, sobretudo os menores, onde recursos escassos somados à falta de escala fazem com que a adequada disposição final dos resíduos não faça parte do planejamento orçamentário da cidade.

Como os lixões ou aterros irregulares contaminam o solo e a água através da percolação do chorume, e o ar pela liberação do gás metano, ambos tóxicos para a saúde da população, estes acabam agravando diretamente os custos na saúde do município.

Ao contrário do que se pensa, a destinação inadequada dos resíduos sólidos não é nefasta apenas para saúde dos que trabalham ou transitam pelos lixões ou próximo deles.

Como ocorre a contaminação
Como ocorre a contaminação

Um estudo que analisou a produção de resíduos sólidos no Brasil entre 2010 e 2014 realizado pela Associação Internacional de Resíduos Sólidos, afirma que cerca de 1/3 da população brasileira seja afetado pelos problemas que poderiam ser evitados com a correta gestão do lixo.

O que se pode fazer para mudar estes dados

Dentre estes problemas, o estudo sugere que o descarte inadequado do lixo seja a causa de infecções intestinais e estomacais, problemas cardíacos, problemas de irritação das vias aéreas e problemas de pele, que não têm uma causa direta explicável. Isto é, toda a população que consome alimentos originados do solo e/ou água contaminada corre o risco de contrair doenças e epidemias que poderiam ser evitadas.

Esta mesma pesquisa estima que o Brasil gaste US$ 370 milhões (quase R$ 1,2 bilhões) não apenas para tratar indivíduos afetados pelo descarte incorreto de resíduos, mas também, o impacto dos dias de trabalho perdidos por afastamento médico e custos psicossociais causados aos cidadãos.

Além dos gastos com a saúde, outros US$ 2,1 bilhões (cerca de R$ 6,7 bilhões) serão gastos para tratar os danos ao meio ambiente, tais como, emissão de gases poluentes e contaminação da água e do solo, sem falar em multas e problemas judiciais que o crime ambiental pode causar para os prefeitos que poluem o meio ambiente.

Os gastos com saúde pública
Os gastos com saúde pública

No estudo citado anteriormente, o custo anual para tratar estes problemas de saúde causados pelo lixo é de U$ 500/habitante (aproximadamente R$ 1.500) e 1% da população, que é considerada uma taxa extremamente conservadora pelos especialistas.

Por exemplo, em uma cidade de 60 mil habitantes onde a gestão dos resíduos sólidos esteja inadequada, são gastos na saúde 900 mil reais por ano para tratar de doenças e epidemias causadas pelo lixo irregular. Será que os prefeitos brasileiros estão fazendo esta conta?

Conclusão

Portanto, ao contrário do que possam parecer, os gastos com a má gestão do lixo vão além da coleta, transporte e destino final, pois estes têm impactos gravíssimos tanto à natureza quanto à saúde da população.

Aumentar a receita nestes tempos de extrema dificuldade econômica é um grande desafio, por isso diminuir os custos se torna uma opção coerente e eficiente para ter uma gestão pública responsável. Ter um município empenhado em controlar seus gastos com a saúde, corrigir a gestão dos resíduos sólidos e preservar o meio ambiente vêm ao encontro do desejo de todos os cidadãos.

A prevenção é muito mais barata que a remediação, mas a realidade da grande parte dos municípios, que tem aterros controlados ou lixões a céu aberto, é a necessidade de uma solução que estanque esse problema de imediato e que caiba no modesto orçamento das prefeituras.

Um abraço!

Visite nosso site: www.ecosol.com.br

Deixe uma resposta